Seguidores

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Biography - Pedro O Grande

Nascido em Moscou, Rússia, em 09 de junho de 1672, Pedro, o Grande, era o czar da Rússia no final do século 17, ficou conhecido por suas extensas reformas em uma tentativa de estabelecer a Rússia como uma grande nação. Criou uma forte marinha, reorganizar o seu exército de acordo com os padrões ocidentais, escolas secularizadas, estabeleceu maior controle sobre a Igreja Ortodoxa reacionária, e introduziu novas divisões administrativas e territoriais do país.
Pedro era focado no desenvolvimento da ciência e recrutou vários especialistas para educar o seu povo sobre os avanços tecnológicos. Ele se concentrou no desenvolvimento do comércio e indústria e valorizou a criação de uma população burguesa. Se espelhava na cultura ocidental, modernizou o alfabeto russo, introduziu o calendário juliano, e estabeleceu o primeiro jornal russo.
Pedro era um diplomata perspicaz e hábil que aboliu a forma arcaica da Rússia no governo e nomeou um Senado viável, que regulava todos os ramos da administração, inovou nas realizações da política externa da Rússia.
Resto do Post

Le Silence de la Mer - O Silêncio do Mar

Com a tomada da Alemanha sobre a França, tio e sobrinha são obrigados à hospedar um oficial alemão em sua residência. Como saída ao desconforto da presença de um estranho em seu lar, passam a ignorá-lo. Não intimidado pelo silêncio de ambos, o oficial frequenta a sala todas as noites com o pretexto de aquecer-se. Fala sobre seu amor à França e à arte, e acredita de forma inocente nos ideais nazistas. A inocência se desfaz para o oficial, quando toma consciência da realidade crua da guerra que defendia.
Resto do Post

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

THC - Patton 360 - Epis. 08 - General Obcecado

Diante de um exército alemão bem entrincheirado, Patton corre contra seus aliados britânicos para reivindicar a cidade vital de Messina. Mas em vez de uma recepção de herói, o general é demitido de seu comando por dar um tapa na cara de dois soldados.
Frustrado com a lentidão dos aliados britânicos, Patton ignora as ordens para permanecer ao seu lado e segue em direção a Palermo, rendendo a capital siciliana em 22 de julho.
Resto do Post

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Breaker Morant

Durante a Guerra dos Bôers (os nativos sul-africanos de origem holandesa), três jovens tenentes australianos são levados à corte marcial por terem supostamente executado prisioneiros de guerra. O julgamento, no entanto, serve apenas para desviar as atenções pelos crimes que na verdade foram cometidos pelos oficiais superiores dos rapazes. 
O filme conta a realidade de uma guerra australiana onde três tenentes, que se juntaram ao exército britânico, são acusados injustamente de um crime. O julgamento vai apresentar um belo debate, levantando o tema da ética na guerra.

Resto do Post

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

BBC - A Professora Que Dasafiou Hitler - The Teacher Who Defied Hitler

Um documentário BBC sobre a história emocionante de uma professora desempregada que se atreveu a desafiar o ódio e o totalitarismo de Hitler, protegendo centenas de crianças judias ao conseguir construir um oásis no coração do inferno nazista.
1934, Berlim.
O partido nazista está em ascensão, praticando atos de extrema violência contra os judeus.
O antissemitismo tornou-se uma doutrina de estado e o racismo substituiu a educação, afetando profundamente os membros mais vulneráveis da comunidade judaica: as crianças.
Mas uma mulher atreveu-se a enfrentar o ódio e o regime totalitário de Hitler. A história de Leonore Goldschmidt, uma professora desempregada que descobriu uma falha na lei e abriu a Escola Goldschmidt, um santuário para centenas de jovens judeus, um oásis no coração do inferno.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

We Dive At Down - Mergulhamos ao Amanhecer

Durante a II Guerra Mundial, o submarino inglês Sea Tiger atraca num porto naval. Sete dias de licença são concedidos mas, pouco depois, a tripulação é chamada ao submarino, sendo-lhe dadas ordens para perseguir e afundar o navio de guerra nazi Brandenburg.
Depois de fazer alguns prisioneiros no Mar do Norte, o submarino avista-o e dispara os seus torpedos. As condições atmosféricas impedem a tripulação de saber se foram ou não bem sucedidos. Conseguem iludir contra-torpedeiros alemães, mas ficam sem combustível perto da costa da Dinamarca. Um dos elementos da tripulação, que fala alemão, é enviado a terra, com o uniforme de um dos prisioneiros, para fazer o reconhecimento. Este elemento descobre um navio-cisterna dinamarquês atracado no cais e faz sinal ao Sea Tiger para se aproximar da costa. Os nazis descobrem o submarino quando este está a meter combustível, mas com a ajuda dos patriotas dinamarqueses, o Sea Tiger consegue submergir e dirigir-se a salvo para um porto inglês. 
Resto do Post

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Lion of the Desert - O Leão do Deserto

Este é um grande épico que tem lugar no calor do deserto e nos conta a história de OMAR MUKHTAR (Anthony Quinn), um grande herói libio que lutou por sua nação para impedir a invasão italiana durante a segunda grande guerra. Ele é o guerreiro que organiza e une as forças líbias para enfrentar as tropas italianas de invasão que sob o comando general RODOLFO GRAZIANI (Oliver Reed) e ordens diretas do Ditador Italiano BENITO MUSSOLINE (Rod Steiger), tentam estabelecer uma base de operações em solo Líbio. Porém, com coragem e liderança de MUKHTAR e suas tropas de Beduínos a cavalo, eles enfrentam os tanques e armas do exército Italiano, até que finalmente o destino coloca MUKHTAR, frente-a-frente com a Morte.
Resto do Post

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Coleção Holocausto e Os Crimes da 2ª Guerra Mundial


Considerado uma das maiores atrocidades cometidas pelos seres humanos, o Holocausto de Adolf Hitler se caracteriza por perseguições seguidas de muitas mortes ao povo judeu. Estima-se que foram 6 milhões de pessoas mortas pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, nenhum sinal de ordem escrita, destas mortes foi encontrado, levantando-se a questão de quem ordenou realmente o destino dessas pessoas. Nesta primeira parte da Coleção Holocausto e os Crimes da Segunda Guerra os documentários: Nunca Mais, Libertação 1945 e Eu Nunca te Esqueci reúnem uma série de compilações com materiais inéditos sobre o que foi o sofrimento dos judeus e, como isto se tornou uma das principais tragédias da história da humanidade.
Episódios
Coleção Holocausto I - Eu Nunca Te Esqueci
Coleção Holocausto II - Libertação
Coleção Holocausto III - Nunca Mais

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

36 Horas - 36 Hours

Londres, 31 de maio de 1944. Quando a invasão da Europa era algo certo e que não deveria demorar, Hitler ordenou que se fizesse o impossível para descobrir a hora e o lugar em que os aliados atacariam. Já os aliados queriam descobrir o quanto os nazistas sabiam e então armaram um plano para confundi-los. Assim o major Jefferson Pike (James Garner), um agente do serviço de inteligência do exército que sabia detalhes vitais da invasão, vai para Lisboa, cuja neutralidade é respeitada pelos nazistas. Pike vai até lá conversar com um informante que é um "termômetro inverso", pois se ele diz com convicção algo é exatamente o contrário. Pike crê que os nazistas já descobriram que ele é um informante e, assim, deixam que saiba de dados falsos ou sem importância. Em Lisboa, Jefferson é drogado e desmaia, sendo retirado do país como se estivesse morto e mandado para a Alemanha. Em 1950, Pike acorda em um hospital americano com uma grande amnésia. Ele não está certo onde está ou como chegou ali. Também não sabe quem é a enfermeira que está ao seu lado, até um médico lhe contar que ela se chama Anna (Eva Marie Saint) e é sua esposa. O médico instrui Pike para tentar lembrar, com o máximo possível de detalhes, o que estava fazendo antes do acidente que lhe causou esta traumática perda de memória. Mas o doutor não é um doutor, Anna não é a esposa de Pike, não é 1950 e ele não está em um hospital americano. A 2ª Guerra Mundial ainda está longe de acabar e Pike está sendo enganado em um elaborado plano preparado pelo major Walter Gerber (Rod Taylor), um agente da inteligência alemã, que quer convencê-lo que a guerra acabou, assim ele dirá quando e em qual lugar o ataque aliado na Europa acontecerá. 
Resto do Post

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Battle Of The Bulge - Uma Batalha no Inferno

No final da Segunda Guerra, em dezembro de 1944, o comando das Forças Aliadas já comemora o triunfo sobre as combalidas forças nazistas por toda a Europa. Quando remanescentes do quase derrotado exército nazista planejam um ataque surpresa às forças aliadas, que já não contavam mais com nenhuma reação, um experiente oficial americano alerta seus superiores sobre a possibilidade de uma última ofensiva em massa do inimigo. Esse soldado, experiente, porém desacreditado por seus companheiros, tenta convencer seus superiores a tomarem medidas para impedir a ação. Mas não é ouvido com seriedade. Comandados por um coronel obstinado, os alemães provam que ainda têm poder de fogo e são capazes de dar muito trabalho aos aliados. Esse episódio nas Ardenas é antológico na Segunda Guerra e ambientou outras produções, tais como Band of Brothers; A Guerra de Hart; Santos ou Soldados; Counterpoint - Os heróis não se entregam; Noites Calmas. 

BBC - A História da Suástica - The Story of the Swastika

A suástica ou cruz gamada é um símbolo místico encontrado em muitas culturas em tempos diferentes, dos índios Hopi aos Astecas, dos Celtas aos Budistas, dos Gregos aos Hindus. Alguns autores acreditam que a suástica tem um valor especial por ser encontrada em muitas culturas sem contatos umas com as outras. Os símbolos a que chamamos suástica possuem detalhes gráficos bastante distintos. Vários desenhos de suásticas usam figuras com três linhas. A nazista tem os braços, apontando para o sentido horário, ou seja, indo para a direita e roda a figura de modo a um dos braços estar no topo. Outras chamadas suásticas não têm braços e consistem de cruzes com linhas curvas. Os símbolos Islâmicos e Malteses parecem mais hélices do que propriamente suásticas. A chamada suástica celta dificilmente se assemelha a uma. As suásticas Budistas e Hopi parecem reflexos no espelho do símbolo Nazista. Na China há um símbolo de orientação quádrupla, que segue os pontos cardeais; desde o ano 700 ela assume ali o significado de número dez mil. No Japão, a suástica (卍 manji) é usada para representar templos e santuários em mapas, bem como em outros países do extremo oriente.
Resto do Post

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

BBC - Frederico, o Grande e o Enigma da Prússia

O rei prussiano Frederico, o Grande foi um dos maiores guerreiros e líderes na história da Europa moderna, alcançou a grandeza através da Guerra dos Sete Anos (1756-1763), foi louvado como filósofo e cultuado como ''Príncipe do Iluminismo". No entanto, a reputação tanto de Frederico II quanto da sua Prússia foram manchadas pela associação com o regime nazista de Hitler. O historiador Christopher Clark reexamina a vida e as realizações de um dos líderes mais pitorescos e controversos da Alemanha.
Resto do Post

Staline: Le Tyran Rouge - A Verdade Sobre Stalin

Com material de arquivo colorido, imagens inéditas e muitos relatos – incluindo do próprio Stalin -, este documentário conta a história de um homem que transformou um sonho em um pesadelo. Entenda como o filho de um artesão se tornou uma das pessoas mais poderosas do planeta e veja a transformação do "Pai dos Povos" em um dos ditadores mais brutais que a humanidade já conheceu.
Resto do Post

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

A Cruz de Ferro - Cross of Iron

 Um grupo de soldados alemães luta para sobreviver aos ataques soviéticos no front da Segunda Guerra Mundial. Eles retornam à base para encontrar um novo comandante, um tradicional oficial prussiano que busca apenas uma coisa: A Cruz de Ferro para manter a honra de sua família. O filme mostra também o conflito entre o Sargento Steiner (James Coburn) e o Coronel Brandt (James Mason), que descobrem que seus instintos de guerra são maiores que os instintos de sobrevivência.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

The Battle of Neretva - A Batalha do Neretva

"Em Janeiro de 1943 o exército Alemão, com receio da invasão dos aliados nos Balkans, lançou uma grande ofensiva contra os Partisans Yugoslávos ao Oeste da Bósnia. O único caminho de fuga para as forças Partisans e milhares de refugiados era uma ponte sobre o rio Neretva. Yul Brynner interpreta o líder Partisan cuja única missão é erradicar todos os nazistas de seu país. A Batalha de Neretva é um tributo aos rebeldes Partisans que lutaram na Segunda Grande Guerra. " 
Resto do Post

domingo, 20 de dezembro de 2015

King and Country - Pelo Rei e pela Pátria

Durante a Primeira Guerra Mundial, um soldado é acusado de deserção. O oficial designado para defendê-lo na corte marcial passa a investigar a situação e descobre que existem muitos fatores obscuros no caso.
Resto do Post

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Crianças em Risco - Familias Alemãs nos Campos Americanos - Children of Internment

Milhares de famílias alemãs foram internadas pelos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Elas foram levadas de suas casas e escolas, sem o "devido processo" e presas em campos de detenção em todo os Estados Unidos e América Latina. "As crianças de Internação 'conta uma história fascinante usando entrevistas ao vivo com os que foram internados, fotografias de família e imagens históricas. Revela os problemas que enfrentamos hoje a respeito do medo e do ódio de imigrantes que estão conosco há muito tempo. Privados da liberdade, sem processo legal e habeas corpus de direitos, com a desculpa de que isso é vital para a segurança nacional, eram um problema, e continuam a ser um problema hoje.
Resto do Post

Queen and Country - Rainha e País

Sinopse:
No período da Segunda Guerra Mundial, Bill Rohan (Caleb Landry Jones) tem dezoito anos e um futuro pela frente. Seu sonho é se alistar no exército para lutar na guerra. Assim que inicia um romance com uma bela moça da vizinhança, é obrigado a se separar dela para realizar um treinamento de dois anos numa missão militar na Coréia. Lá,Bill faz amizade com Percy (Callum Turner) com quem irá conspirar contra o insuportável sargento Bradley. Em momentos raros, eles conseguem escapar e se distrair dos horrores da guerra e numa destas saídas Bill conhece uma moça inacessível por quem se apaixona.
Resto do Post

The Hidden Child - A Criança Escondida

Os pais da escritora Erica Falcks são mortos em um violento acidente de carro. Poucos meses depois, um homem aparece na casa de Erica dizendo que são filhos da mesma mãe, e que ele é seu meio-irmão. Erica não acredita e pede para ele sair. Quando ele é encontrado morto alguns dias depois, ela começa mexer nos pertences da mãe. Logo ela descobre que a mãe guardava segredos obscuros no passado, segredos que alguém ou algumas pessoas estão tentando muito esconder. Enquanto investiga o caso, Erica é envolvida em uma teia de mentiras e morte.
Resto do Post

Maximilian Kolbe

Sinopse: Julho de 1941. Maximiliano Kolbe é um sacerdote católico polonês preso no campo de concentração nazista de Auschwitz. Ele dá a sua vida por outro prisioneiro, um homem de família inocente condenado à morte por inanição em represália por uma fuga. O filme conta a história através dos olhos de Kolbe, que fugindo do campo, levou à punição dos nazistas, sacrificando sua vida que terminou o monge franciscano. O Papa Paulo VI beatificou Kolbe em 1971 e em 1982, João Paulo II canonizou-o como São Maximiliano Kolbe.
Resto do Post

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Nos Campos do Holocausto - Lola Anglister

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 07 - Lola Anglister
Resto do Post

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Nos Campos do Holocausto - Rita Braun

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 06 - Rita Braun 
Download Membros
Resto do Post

Nos Campos do Holocausto - Miriam Brik

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 05 - Miriam Brik
Resto do Post

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Nos Campos do Holocausto - Kiwa Kozuchowicz

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 04 - Kiwa Kozuchowicz
Download Membros
Resto do Post

Nos Campos do Holocausto - Ernesto Strauss

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 03 - Ernesto Strauss
Resto do Post

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Nos Campos do Holocausto - Hana Jurika

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 02 - Hana Jurika
Download Membros
Resto do Post

Nos Campos do Holocausto - Michel Dymetman

Com realização da Medialand, “Nos Campos do Holocausto” é um programa produzido para marcar os 70 anos de fim da segunda guerra. “Não dá para dizer que é uma comemoração, já que não há nada a comemorar. Criamos a série para relembrar que já faz – e só faz – 7 décadas que o mundo conviveu lado a lado com o pior do ser humano. E também é um registro histórico das vítimas que ainda estão vivas, permitindo que elas contem tudo o que passaram”, explica Beto Ribeiro, criador, roteirista e produtor executivo da série.

“Nos Campos do Holocausto” não tem a intenção imediata em explicar academicamente a segunda guerra, mas acaba ajudando a entender como foi a dinâmica entre os Aliados e o Eixo do Mal, liderado pela Alemanha. “Com a série, a gente percebe que é possível entender toda a segunda guerra através de cada relato, mesmo sendo extremamente pessoal e único. Afinal, todas as vítimas do Holocausto viviam o mesmo terror, e acabavam sendo direcionadas para uma mesma trajetória: a do extermínio pela intolerância racial e religiosa”, afirma Carla Albuquerque, produtora executiva e diretora geral da Medialand.

Cada episódio traz um novo sobrevivente relembrando suas três vidas: antes, durante e depois do Holocausto. “Muita gente acha que só existiram campos de concentração”, explica Beto. “Por isso, para esta primeira temporada, nos preocupamos em gravar com diferentes personagens que mostrem que a forma de sobrevivência mudava de acordo com o lugar onde os prisioneiros estavam. Temos sobreviventes de guetos, campos de concentração, campos de extermínio, judeus que viveram escondidos de casa em casa ou até no meio da floresta, esperando o fim da guerra”. “Também mostramos objetos pessoais que alguns sobreviventes conseguiram trazer da Europa, como pijamas, estrelas de David, fotos da família que muitos nunca mais viram”, revela Carla.
Episódio 01 -  Michel Dymetman
Resto do Post

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

CNN - Cold War - Guerra Fria - Epis. 10 ao 23

A CNN produziu esta série premiada que examina as cinco décadas de história e a cristalização de um esforço maciço de três anos liderado pelo produtor executivo Jeremy Isaacs (The World at War). Sua equipe de produção produziu mais de 1.000 horas de filmagens originais e rastreou 1.500 horas de materiais e filmes de arquivo, incluindo arquivos históricos importantes - e muitas vezes emocionalmente impressionante - imagens, muitos nunca vistas antes por telespectadores internacionais. A equipe viajou para 31 países e realizou mais de 500 entrevistas, muitas com os principais intervenientes da época, que raramente aparecem diante das câmeras. Idealizado pelo fundador da CNN Ted Turner, este extraordinário documentário de 24 episódios emerge como um registro audiovisual definitivo desta época tumultuada da história mundial.
Episódios 10 ao 23:
Resto do Post

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails